Eu não consigo parar de ouvir o Melodrama, novo álbum da Lorde!

junho 20, 2017
Capa do álbum/Pinterest

Quatro longos anos se passaram desde que a minha Queen Ella 
Marija Lani Yelich-O’Connor, vulgo Lorde, lançou o álbum Pure Heroine e roubou meu coração. Depois de uma longa pausa Lorde is back, baby e trazendo o Melodrama para encantar o mundo. Minha baby tá viva e eu tô no chão!

Desde o lançamento eu tô em looping, juro que tentei parar. A mesma coisa que aconteceu quando tentei parar de ouvir o Pure Heroine toda hora, coloco o player no aleatório e quando vejo apareceu uma música do álbum e quando me dou conta já estou ouvindo o álbum todo novamente. Não dá para controlar esse vício.

O álbum está tão maravilhoso e temos uma Lorde mais adulta e sarcástica. Eu quase não consegui escolher uma música favorita. Mas depois de tanto ouvir foi inevitável não escolher. Liability é a coisa mais preciosa do mundo, sabe quando você ouve uma música e tem vontade de abraçar ela de tão boa que é? Inclusive ela tá na playlist de Maio. Homemade Dynamite e seu refrão viciante é a minha segunda favorita, toda hora me pego cantarolando Blowing shit up with homemade d-d-d-dynamite”. Sober, Writer in the dark (Talvez a melhor música, ainda não me decidi), Perfect Places, Supercut, não dá para escolher uma só. É cada hino que minha nossa senhora das músicas boas! AMÉM, LORDE!

O álbum tá todo no Spotify e claro que depois de falar tanto eu não poderia deixar de compartilhar essa preciosidade. Meu trabalho é divulgar e enaltecer as coisas boas da vida. Aperta o play e vem ver a rainha pisando.

Pisa menos Lorde, eu te imploro!



  • Share:

Tudo bem em não estar bem

junho 18, 2017
Foto: Aidan Meyer
A gente tem a mania de querer dizer que está bem o tempo inteiro, mesmo que as coisas estejam difíceis e os ombros cansados de carregar toda bagagem. As pessoas estão sempre nos lembrando que devemos ser fortes. Você não deve demonstrar fraqueza, elas dizem. Mas o que elas esquecem é que não somos máquinas e sim seres humanos. Temos sentimentos e não são poucos.

Ás vezes tudo fica um pouco demais, a gente se sente pequeno demais e só quer deitar em posição fetal e chorar feito criança. Está tudo bem, não precisa segurar o choro. Todo mundo tem uma fase ruim, não tem como fugir ou ignorar. Não precisa tentar provar para o mundo que as coisas andam boas, deixe a dor sair, se permita sentir. Desabe de uma vez, sem culpa, sem medo.

Não há problema nenhum em recusar um convite dos amigos para sair. Não tem nada de errado em querer passar o dia inteiro no sofá sendo engolida pelo edredom, assistindo sua série favorita ou lendo um livro enquanto sua playlist para dias de bad está no volume máximo em seu fone de ouvido e a xícara de café vazia repousa na mesinha de centro.
 
Está tudo bem, você não precisa sair de casa para fugir da solidão, não precisa ignorar o nó que está preso em sua garganta, cospe ele, menina. Deixe as emoções saírem. Ninguém é feliz o tempo todo e está tudo bem.

Tudo bem ficar triste. Você não precisa estampar sorrisos e fingir alegrias quando tudo está desmoronando.

Tudo bem não querer falar com ninguém, preferir o silêncio. Mas se precisar desabafar não tem problema. Se quiser gritar a plenos pulmões, grite!

Não guarde todo o caos dentro de si.

Tudo bem em não estar bem.
Tudo bem, tá?
  • Share:

Séries originais Netflix para maratonar!

junho 02, 2017
Foto/Reprodução
Depois de falhar miseravelmente no BEDA eu acabei desaparecendo daqui, né? Minhas férias acabaram e meu tempo voltou a ficar corrido novamente.  But, i’m back, babys!

A Netflix tem uma infinidade de séries e ultimamente tem lançado série atrás de série, me deixando mais louca do que já sou. Haja tempo para assistir tanta coisa. Oficialmente o serviço de streaming é o maior responsável pela minha perda de vida social, haha.  Pra hoje, selecionei algumas séries para indicar. Vou falar bem rapidinho sobre cada uma porque já tenho posts separados sobre elas e não quero falar demais.


Primeiramente eu quero dizer: Cara gente branca, vocês podem assistir a série com tranquilidade. Ela aborda temas mais importantes que atacar brancos. #PAZ! Essa é uma série para refletir e se divertir também.

Sinopse:As mais refinadas faculdades americanas podem representar uma enorme carga de estresses para seus alunos. Tensões sociais, a pressão acadêmica e o medo que vem com a chegada à idade adulta podem ser aterrorizantes. Pior que isso, só se você for um afro-americano, tendo que lidar com os alunos majoritariamente brancos e os estigmas associados a você pela sociedade.”


Uma ótima série para inspirar e motivar, mesmo a personagem principal sendo um tanto insuportável. Não que eu não tenha gostado da Sophia, mas ela conseguiu me tirar do sério um pouquinho. Mas ela melhora um pouco no decorrer da série e torna mais fácil de assistir. Acho que o que mais me prendeu na série foram os figurinos e a fotografia.  

Sinopse: “Girlboss é baseada no best-seller do New York Times #Girlboss, de Sophia Amoruso, fundadora da marca Nasty Gal. A série é centrada em Sophia (Britt Robertson), uma jovem que começa vendendo roupas vintage no eBay e se torna proprietária de um império multimilionário antes de completar 28 anos.”


Comecei a assistir Anne essa semana e ainda tô na metade do segundo episódio, mas a série é tão boa que não me contive e coloquei aqui na lista. A Anne é igualzinha a mim no quesito falação. Fala várias coisas ao mesmo tempo e não consegue se controlar. A série é tocante, dramática e incrível. A fotografia também é MARAVILHOSA!

Sinopse: “Baseada no romance Anne of Green Gables da escritora Lucy Maud Montgomery, a série acompanha Anne Shirley (Amybeth McNulty), uma jovem órfã do final do século XIX, que teve uma infância abusiva entre orfanatos e casas de estranhos. É quando a garota é enviada (por engano) para casa dos irmãos Marilla (Geraldine James) e Matthew Cuthbert (R.H. Thomson) – em pouco tempo, a menina conquista todos com seu carisma, inteligência e imaginação brilhante.”


Pensei algumas vezes antes de colocar na lista. Acho que é uma série que a maioria conhece. Desde o seu lançamento ela tem dado o que falar! A série aborda assuntos importantes como o bullying, assédio, estupro, suicídio, entre várias outras coisas que são importantes e devem ser comentadas com todos. E tem uma ótima trilha sonora. Veja o post sobre a trilha.

Sinopse: “Baseada no best-seller de Jay Asher, a série original Netflix 13 Reasons Why acompanha Clay Jensen (Dylan Minnette) que, ao voltar da escola, encontra uma caixa misteriosa com seu nome na porta de casa. Dentro dela, ele encontra fitas-cassetes gravadas por Hannah Baker – sua colega de classe e paixão secreta – que cometera suicídio duas semanas antes. Nas fitas, Hannah explica as treze razões que a levaram à decisão de acabar com a própria vida. Será que Clay foi uma delas? 13 Reasons Why tem produção executiva de Tom McCarthy, Brian Yorkey, Selena Gomez, Joy Gorman e Kristel Laiblin.”

Eu tenho tanta série para indicar que um post é pouco, mas aos poucos vou colocando cada uma aqui e trazendo resenha de cada uma. Espero que tenham gostado do post.


Xoxo, Neise!
  • Share:

Música | Minha playlist de Maio!

maio 05, 2017
Foto/Reprodução: Teresa Kluge
Já falei por aqui que estou sempre ouvindo as mesmas músicas. Sério! Mesmo quando troco o “repertório” acabo voltando um tempinho depois. Ouço um pouco de tudo e comecei a analisar as músicas que mais ouço geralmente, tanto nacionais quanto internacionais e cheguei a conclusão de que ouço mais indie que tudo. Indie é definitivamente minha perdição! Mas como nem só de indie eu sobrevivo - Até que a ideia é tentadora – montei a playlist com músicas para todos os gostos. Tem um monte de música nova e vou admitir: Eu tô apaixonada por cada musiquinha.

Tem um tempinho que comecei a montar playlists temáticas para arrumar a casa, lavar o cabelo, viajar, estudar e várias outras situações e acho que vai ser uma boa ideia compartilhar aqui com vocês. Um fato engraçado sobre essas playlists: eu procuro versões acústicas ou remix das músicas que estou viciada no momento para variar e poder colocar elas em todas as playlists, haha. Mais alguém faz isso?

Acho que a última vez que fiz uma playlist mensal foi em Agosto do ano passado, mas como estou fazendo outros posts com músicas estou perdoada, né?

Aperta o play e vem se divertir comigo!



Ouçam com carinho!
Xoxo, Janeise!



  • Share:

01. Resumão do mês: Abril/ 2017

maio 01, 2017
Foto: Janeise Santos

Aquela sensação de que o mês passou voando e ao mesmo tempo passou devagar. Mês das minhas férias, meu aniversário, tentativa fracassada de participar do BEDA e aniversário do blog.  Até o dia 21, dia do meu aniversário, o mês resolveu andar de carroça, mas após a data ele resolveu pegar um jatinho e voar.

Para início de conversa: Tentei participar do BEDA e falhei miseravelmente. Consegui apenas doze posts e não me orgulho disso, mas é a vida. Tudo bem, mais um projeto não concluído para a lista. O BEDA requer planejamento e por estar de férias achei que conseguiria ir até o final, mas deveria ter me planejado com antecedência. O mês de Março foi um pouco conturbado devido ao fim de semestre e isso não colaborou. Passei metade de Abril tentando postar e a outra metade procrastinando. Tô tentando melhorar, sorry!

Descobri que ler Ebooks não é tão ruim e consegui adiantar a leitura de alguns livros que estavam na minha lista. Em breve resenhas por aqui.


Consegui atualizar minhas séries e comecei a ver outras. Conclui 13 Reasons Why, terminei Girlboss em 2 dias e comecei Prison Break, Dear White People e How I Met Your Mother. Sim, eu assisto mais de uma série ao mesmo tempo.


Planejei uma festinha de aniversário e pela primeira vez deu certo (ou quase). Mas não tenho muito do que reclamar. Aproveitei a troca de idade e comecei a fazer alguns planos e analisar algumas “amizades” e descobri que algumas pessoas não fazem tanta falta assim quando decidem se afastar.


E por fim, talvez a parte mais importante: O blog completou 3 anos! Três anos de muito amor.
Once upon a time... O blog foi criado no dia 25, mas só “entrou” no ar dia 27 e é essa data que conto como aniversário. A data do primeiro post, onde tudo começou! Meus sinceros agradecimentos a todas as pessoas que acompanham o blog, aos meus leitores fiéis agradeço a paciência que vocês tem e por nunca desistirem de mim. Gratidão! 



Consegui uma festinha, comi muito doce, li alguns livros e tive tempo de colocar as séries em dia.  É... Não dá pra reclamar muito não. O mês foi bom, tirando as partes ruins. Me arrisco a dizer que os dias ruins não foram nada em comparação aos dias bons. Tá tudo bem por aqui e é isso que importa! 

Xoxo, Janeise!





  • Share:

A saga da crise: Chegou a hora de apagar a velinha, novamente!

abril 24, 2017

Perdoa o post gigante e não desiste de mim, Love u!

Sexta, dia 21, troquei o famoso vinte pelos vinte e poucos, vinte e um para ser mais precisa. Os aniversários têm essa coisa de nos deixar nostálgicos né? Esse ano para mim foi diferente.

 Sempre costumei esperar pela data com uma animação absurda e mesmo que nada acontecesse era o meu dia e eu tinha a obrigação de ser feliz. Esse ano eu senti algo diferente. Percebi que não fazia sentido passar o dia atualizando a página do Facebook para ver quem estava publicando na minha linha do tempo, checar o Whatsapp a cada minuto para ver se algum amigo deixou uma mensagem ou até mesmo a caixa do correio esperando por uma carta. Essas coisas tornariam meu dia mais feliz, mas eu não poderia depender apenas disso. Eu deveria aproveitar o dia da melhor maneira possível, tudo bem que eu passei o dia assistindo Girlboss e foi maravilhoso.

Quando eu completei vinte anos, a famosa crise decidiu me agarrar e não queria me largar de jeito nenhum, o nome do blog nunca fez tanto sentido. Mas a verdade é que eu me deixei levar pela crise, talvez uma coisa que ninguém saiba sobre mim, eu não acreditava na minha própria capacidade de fazer qualquer coisa. O velho auto boicote! Ainda não entendo muito dessa famosa crise dos vinte e tantos, mas como as pessoas sempre fazem questão de dizer “eu já estou um pouco grandinha” para ficar me escondendo atrás da crise ou deixar ela me derrubar. Eu sou capaz de tudo, basta acreditar e correr atrás do que quero!

Esse post era só para mostrar as fotos da festinha que a gente fez aqui para não deixar a data passar em branco, afinal sou taurina e não poderia deixar meu aniversário passar sem um bolinho, mas se transformou nesse post gigante e nostálgico. Sorry, migos!


Foi uma mini festinha com poucas pessoas, mas com direito a playlist beem nostálgica, Naked Cake derretendo, muito doce, as melhores pessoas do mundo e velinha de unicórnio! \o/


Dizem que estou apenas no começo dos vinte e poucos e que lá para os vinte e cinco a crise volta e bem pior. Enquanto ela não vem vamos nos encher de doces e ser feliz. <3

Xoxo, Janeise! 



Follow my blog with Bloglovin
  • Share:

A trilha sonora de 13 Reasons Why me deixou em looping!

abril 21, 2017
Foto: Reprodução/Pinterest
“If you’re listening, you’re too late.”

Eu sei que eu deveria começar com a resenha da série e tal. Ou montar os motivos para assistir ou não assistir a série, como sempre faço, mas decidi começar ao contrário. Se não fosse assim não seria eu! Todo mundo sabe que sou viciada em música e ainda mais em trilha sonora de filmes e séries, acho que já comentei algo por aqui. E quando comecei assistir 13 Reasons Why me apaixonei logo pelas músicas.

A série da Netflix baseada no livro de Jay Asher tem dado o que falar desde seu lançamento, não apenas pelo enredo, mas pela trilha sonora também. Pensei em começar falando sobre a série, mas quando essa playlist caiu de paraquedas lá no Spotify eu não resisti. Obrigada a quem montou esse amô!  

Antes de tudo vou deixar um resumão da série aqui pra quem ainda não assistiu ou não conhece a série não ficar perdido. A série discute sobre o bullying, assédio, estupro, suicídio e slut shaming, entre várias outras coisas que são importantes e devem ser comentadas com todos.

Sinopse: “Baseada no best-seller de Jay Asher, a série original Netflix 13 Reasons Why acompanha Clay Jensen (Dylan Minnette) que, ao voltar da escola, encontra uma caixa misteriosa com seu nome na porta de casa. Dentro dela, ele encontra fitas-cassetes gravadas por Hannah Baker – sua colega de classe e paixão secreta – que cometera suicídio duas semanas antes. Nas fitas, Hannah explica as treze razões que a levaram à decisão de acabar com a própria vida. Será que Clay foi uma delas? 13 Reasons Why tem produção executiva de Tom McCarthy, Brian Yorkey, Selena Gomez, Joy Gorman e Kristel Laiblin.”

Prometo que o post falando sobre o que eu achei da série logo sai, mas a Clayci do Sai Da Minha Lente fez um post maravilhoso falando sobre lá no blog dela, aproveita para ir lá conferir. <3

Selena Musa Gomez que é uma das produtoras da série tem duas músicas na trilha. A playlist vai de Selena Gomez a The Alarm e tem uma pegada indie bem relaxante. Aperta o play e vem ouvir com a gente!




E vocês, assistiram a série? O que acharam da trilha?

Xoxo, Janeise!




  • Share: